Cascavel

Câmara, Prefeitura, Polícias e Conseg discutem ações para combater alta nos crimes

As principais demandas são pelo aumento dos efetivos das Polícias Militar e Civil e...

14 abr 22 - 11h28 Redação SOT
Câmara, Prefeitura, Polícias e Conseg discutem ações para combater alta nos crimes

Gestores da área de segurança pública de Cascavel se reuniram na manhã desta quarta-feira, a convite do presidente Alécio Espínola (PSC). Em pauta, uma análise do aumento recente da criminalidade e quais os caminhos para uma ação conjunta que permita à população se sentir mais segura. As principais demandas são pelo aumento dos efetivos das Polícias Militar e Civil e o uso intenso da tecnologia de vigilância com mais câmeras pela cidade.

Participaram do encontro, além de Alécio, os integrantes da Comissão de Segurança Pública vereadores Policial Madril (PSC), Pedro Sampaio (PSC) e Sadi Kisiel (PODE), além de Josias de Souza (MDB), Dr. Lauri (PROS), Soldado Jeferson (PV) e Mazutti (PSC). Também estiveram presentes as assessorias dos vereadores Professor Santello (PTB) e Edson Souza (MDB).

A Polícia Militar foi representada pelo comandante do 6º Batalhão, tenente coronel Jorge Fritola, e a Polícia Civil pelos delegados Fernando Zamoner e Ana Karine Palodetto, além do superintendente Everton Klaus. Da Prefeitura, vieram os secretários municipais Pedro Fernandes, da Segurança Pública, e Hudson Moreschi, da Assistência Social. Vários membros do Conselho de Segurança Pública (Conseg) também participaram, tendo à frente o presidente Clóvis Petrocelli.

Os vereadores presentes relataram que vêm sendo pressionados pela população devido ao crescente número de ocorrências em vários pontos da cidade. Tanto a Polícia Militar quanto a Civil destacaram que, apesar de suas unidades se destacarem como as melhores do Paraná em número de prisões, autuações e resoluções de crimes, ambas as instituições sofrem com uma grande defasagem no efetivo de profissionais, 30% no caso da PM e chegando a 50% na Polícia Civil.

Vários participantes destacaram o potencial apoio à redução dos casos que poderia vir de um aumento na quantidade de câmeras de monitoramento em toda a cidade, tanto as instaladas pelo Poder Público, como as dos próprios moradores, que poderiam estar integradas ao programa Muralha Digital e compartilhar as imagens para uso dos órgãos de segurança. Foi citado o caso da cidade de Palotina, que reduziu os crimes depois de instalar 500 câmeras, o que representa cerca de uma câmera para cada 60 habitantes.

O presidente Alécio Espínola fez um balanço positivo do encontro. “As autoridades nos explicaram que estão trabalhando, fazendo o que podem, não pararam de combater o crime organizado e os roubos. Mas nós temos um crescimento exagerado da nossa cidade e os equipamentos públicos para a segurança não estão acompanhando. O que a Câmara vai fazer agora é cobrar os deputados da nossa cidade para que possam dar uma atenção à segurança pública, garantir o efetivo que falta, as viaturas e equipamentos. O prefeito também já enviou um projeto de lei para aumentar o efetivo da Guarda Municipal e já vamos votar na segunda-feira”, disse ele.

“A gente chegou a algumas conclusões interessantes, como a necessidade de investimento em tecnologia”, destacou o tenente coronel Jorge Fritola. “Também temos concurso público em andamento e em breve vamos ter um incremento no efetivo da PM. Temos também a situação de pessoas que são presas em um momento e soltos logo em seguida, e por isso vamos convidar o Poder Judiciário para estar aqui com a gente em um outro momento e nos explicar esses detalhes”, prosseguiu o comandante da PM na cidade.

“Vale destacar que essa reunião convocada pelo vereador Alécio tem grande validade, trazendo toda a comunidade, inclusive a comunidade de segurança pública, para mostrar quais são as dificuldades que nós passamos e quais são as necessidades nossas e as da população. As tratativas aqui apresentadas já serão colocadas em prática. Cascavel teve um crescimento absurdo, já é a terceira melhor cidade do país para se viver, mas junto com esse desenvolvimento vêm também as coisas ruins”, afirmou o secretário Pedro Fernandes.

O delegado Fernando Zamoner falou das cobranças da população que chegam por meio do Legislativo. “A gente compreende isso perfeitamente. Enfrentamos sim uma questão envolvendo o efetivo, pois a Polícia Civil opera com uma defasagem de mais de 50% do nosso quadro. Então, é importante que a nossa comunidade e os nossos representantes se unam em torno disso para levar essa demanda às nossas autoridades em nível estadual”, concluiu o policial.

Via: Assessoria de Imprensa/CMC- Foto: Flavio Ulsenheimer


Whatsapp Portal Sot - Envie sugestões de Pautas, Fotos ou Videos, ou entre em nosso grupo do WhatsApp e recebe as principais notícias em primeira mão: bit.ly/3cNjswL



Leia Também:
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.