Brasil

A história dos dois viadutos abandonados há 40 anos em meio à Serra do Mar

As estruturas. que possuem 100 e 360 metros de extensão e cerca de 29 metros de alt...

31 mar 21 - 10h29 Redação SOT
A história dos dois viadutos abandonados há 40 anos em meio à Serra do Mar

Recentemente, as fotos de dois viadutos abandonados em meio à mata densa e nativa da Serra do Mar chamaram a atenção de internautas.

As estruturas. que possuem 100 e 360 metros de extensão e cerca de 29 metros de altura, fizeram parte do projeto Rio-Cubatão e que posteriormente virou a rodovia Rio-Santos (BR-101).

O projeto que resultou na construção dos viadutos, feito pelo extinto Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (Dner), ligaria Santa Cruz, no Rio de Janeiro à Ubatuba, passando por Caraguatatuba e São Sebastião, até chegar em Cubatão, na Baixada Santista (SP).

As obras foram contratadas pelo governo do Estado de São Paulo em 1974 e o prazo para conclusão era de aproximadamente dois anos.

Porém, a crise do petróleo na década de 1970 a 1980, fez com que o custo do projeto aumentasse quase três vezes o previsto inicialmente, tornando a obra inviável economicamente.

Com isso, o governo optou por realizar um novo projeto mais modesto, optando por interligar apenas os trecho já construídos da Rio-Santos, margeando o litoral.

Coordenadas para visualizar no Google Maps.

Viaduto V11: 23°44’20.0″S 45°32’58.0″W

Viaduto L2N: 23°42’39.2″S 45°31’12.0″W

Atualmente, os dois viadutos são procurados por adeptos de rapel, trilha e até mesmo bungee-jump.

Para chegar é preciso percorrer meia hora de carro em uma estrada vicinal, construída pela Petrobras na altura do km 14 da rodovia Tamoios, no trecho que liga Caraguatatuba a São Sebastião em São Paulo perto do Rio.

Via: G1 - Foto: Divulgação


Whatsapp Portal Sot - Envie sugestões de Pautas, Fotos ou Videos, ou entre em nosso grupo do WhatsApp e recebe as principais notícias em primeira mão: bit.ly/3twq87I 



Postagens Relacionadas
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.