Paraná

Jovem assume propriedade da família com apenas 16 anos

Com determinação e ajuda dos cursos do SENAR-PR, jovem assume propriedade da famíli...

07 set 23 - 22h54 Redação SOT
Jovem assume propriedade da família com apenas 16 anos

Ainda muito novo, José Eduardo Camiloti Orsini assumiu o comando da propriedade da família no município de Barra do Jacaré, na região do Norte Pioneiro. Na ocasião, seu pai precisou se retirar para trabalhar em outra localidade e coube ao jovem tocar as lavouras, a bovinocultura de corte e a avicultura. “Só não mexia na parte financeira. Os serviços e a lida com os funcionários eram comigo”, lembra Orsini, hoje com 21 anos.

Na época em que colocou sua maturidade à prova, Orsini tinha 16 anos, pouca experiência prática e muitas dúvidas sobre a própria capacidade. Diante dos desafios, o jovem buscou conhecimento por meio dos vizinhos, produtores mais experientes e outras fontes de informação que ajudassem a abrir seus horizontes. “Independentemente se é grande ou pequeno produtor, conversar com pessoas mais experientes e com profissionais diferentes foi muito importante”, conta o jovem.

Outro acerto foi buscar o conhecimento formal, por meio de um curso universitário de Agronomia, iniciado em 2018, e das capacitações do SENAR-PR, como o título Manejo Integrado de Pragas (MIP), que serviu de complemento para a agricultura sustentável praticada na propriedade.

Logo na primeira safra sob seu comando, a produtividade da lavoura de milho aumentou de 42 para 62 sacas por hectare. O segredo, segundo Orsini, foi apostar na correção de solo. Depois vieram outros avanços, como a substituição dos fertilizantes químicos pela cama e aviário (já à disposição no local) e a redução das aplicações de inseticidas utilizando os conhecimentos do MIP. “Onde se faziam três, quatro aplicações por safra, teve talhão que não fizemos nenhuma. E sem perda de produtividade”, afirma.

Plantas de cobertura, adubação orgânica e consórcio do milho com a braquiária foram outras técnicas que Orsini foi incorporando às lavouras da família com excelentes resultados. A cada nova conquista, seu pai aumentava sua liberdade para tomar decisões.

“Colho o milho, faço análise de solo, entro com calcário e gesso e faço adubação por sistema. Aí já vêm as plantas de cobertura. Desde que comecei com esse sistema já aumentamos cinco vezes a matéria orgânica do solo”, conta o jovem.

Diante desse resultado, o pai, que acompanhava de longe as decisões do filho, passou para ele a administração de dois dos cinco aviários existentes na propriedade. “Hoje toco a avicultura com grande independência”, afirma Orsini, que equipou seus barracões com o que há de mais moderno na área, inclusive painéis fotovoltaicos para aproveitar energia solar.

Ele reconhece que seu caso não é regra na maioria das propriedades rurais. “Tenho bastante contato com filhos de produtores, até dentro da família, e há vários casos em que atrasou a sucessão familiar e a parte da geração mais jovem acabou desanimando, por falta de oportunidades. Meu caso é um ponto fora da curva. Muito disso veio do pai e do meu avô, que sempre me incentivaram. O caminho é o diálogo”, corrobora.

Via: Assessoria FAEP/SENAR-PR - Foto: Divulgação


Envie sugestões de Pautas, Fotos, Videos, ou Participe do grupo no WhatsApp ou do nosso Canal no Telegram receba as principais notícias do oeste do Paraná em primeira mão! 

CANAL NO WHATSAPP  -  CANAL DO TELEGRAM - GOOGLE NEWS 



Leia Também:
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.