Paraná

52% dos Municípios do Paraná fecham o primeiro semestre com contas no vermelho

Em 2022, no mesmo período, eram 18 (7% dos respondentes). Confira aqui o estudo com...

30 ago 23 - 23h19 Atualizado 30 ago 23 - 23h19 Redação SOT
52% dos Municípios do Paraná fecham o primeiro semestre com contas no vermelho

O cenário fiscal em todo o país é de alerta para a Confederação Nacional de Municípios (CNM). Com aumento de despesas e diminuição de receitas, gestores locais, das cinco Regiões do Brasil, relatam dificuldades para fechar as contas. A nível nacional, 51% das prefeituras brasileiras estão no vermelho. No Paraná, 142 Municípios de 272 que enviaram dados ao Siconfi encerraram o primeiro semestre de 2023 com déficit, o que representa 52%. Em 2022, no mesmo período, eram 18 (7% dos respondentes). Confira aqui o estudo completo.

Isso significa que o percentual de comprometimento da receita está alto. No Paraná, a cada R$ 100 arrecadados nos pequenos Municípios, R$ 96 foram destinados a pagamento de pessoal e custeio da máquina pública. “Estamos em diálogo com as autoridades em Brasília e já alertamos. Muitos não veem o que está acontecendo na ponta, mas o problema é grave. Isso é também resultado de despesas criadas no Congresso e pelo governo federal sem previsão de receitas, como os pisos nacionais, caindo toda a demanda no colo dos Municípios”, avalia o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski.

Entre as despesas que oneram os cofres das prefeituras paranaenses estão, por exemplo, recomposições salariais de servidores municipais, o impacto de reajuste do piso do magistério, que, se concedido como foi imposto pela União, soma R$ 1,2 bilhão, e o atraso no pagamento de emendas parlamentares. A redução em emendas de custeio – do primeiro semestre de 2022 para o mesmo período de 2023 – é de quase 79%, passando de R$ 436,2 milhões para R$ 92,6 milhões. No total de emendas, a queda foi de R$ 590,2 milhões para R$ 246,4 milhões para o Estado. A cota-parte do ICMS, afetada pela LC 194/2022, recuou 8,5%.

Enquanto as despesas de custeio tiveram aumento de 24,5%, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) apresenta mais decêndios menores do que o mesmo período de 2022. No primeiro decêndio de julho, por exemplo, houve uma queda brusca de 34,49% no repasse. Em agosto, a queda foi de 23,56%, explicada por uma redução na arrecadação de Imposto de Renda e um lote maior de restituição por parte da Receita Federal.

Além disso, os gestores do Paraná enfrentam o represamento de 79,6 milhões de procedimentos ambulatoriais e 494,1 mil procedimentos hospitalares durante a pandemia, sendo necessários R$ 1,8 bilhão para equacionar a demanda; 200 programas federais com defasagens que chegam a 100%; 106 obras paradas e abandonadas por falta de recursos da União; e obras concluídas com mais de R$ 623,6 milhões em recursos próprios sem repasse do governo federal.

Via: Confederação Nacional de Municípios - Foto: Divulgação


Envie sugestões de Pautas, Fotos, Videos, ou Participe do grupo no WhatsApp ou do nosso Canal no Telegram receba as principais notícias do oeste do Paraná em primeira mão! 

CANAL NO WHATSAPP  -  CANAL DO TELEGRAM - GOOGLE NEWS 



Leia Também:
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.