Cascavel

Esperança para Yasmin: Governo do Paraná irá comprar remédio de R$ 2,4 milhões após falha de empresa

A decisão do Estado vem como resposta à angústia da família de Yasmin, que há meses...

19 jun 24 - 00h59 Atualizado 19 jun 24 - 01h00 Redação SOT
Esperança para Yasmin: Governo do Paraná irá comprar remédio de R$ 2,4 milhões após falha de empresa

Cascavel, PR - Nesta terça-feira (18), o Governo do Paraná decidiu intervir diretamente para garantir o tratamento de Yasmin, uma menina de 11 anos que enfrenta um neuroblastoma agressivo em Cascavel. O Estado comprará um remédio vital, avaliado em R$ 2,4 milhões, após a empresa inicialmente responsável pela aquisição não cumprir a entrega e ser investigada pela Polícia Civil.

A decisão do Estado vem como resposta à angústia da família de Yasmin, que há meses buscava o medicamento considerado crucial para o tratamento da menina. A empresa Blowout Distribuidora, Importação e Exportação, de Santa Catarina, recebeu o valor total do remédio, mas entregou apenas uma das seis ampolas do Danyelza e 10 caixas de um genérico do Leukine, outro medicamento necessário, perto do vencimento.

Diante da situação, a família denunciou o caso à polícia, que bloqueou as contas da empresa, mas encontrou-as zeradas. O procurador-geral do Paraná, Luciano Borges, ressaltou a urgência do caso e a necessidade de agir mesmo sem a recuperação imediata do dinheiro.

"Continuamos no procedimento de cobrança desses recursos por parte dessa empresa que recebeu os recursos e não providenciou a entrega dos medicamentos, mas não podemos esperar a conclusão", afirmou o procurador.

A defesa da empresa Blowout Distribuidora afirmou que não se manifestará, alegando falta de acesso aos autos do processo. A investigação continua, e a Polícia Civil apura os crimes associados à empresa. Enquanto isso, o governo busca garantir a entrega do medicamento essencial para Yasmin no menor tempo possível.

O procurador-geral mencionou que a importadora solicitou um prazo de 18 meses para devolver os recursos, mas a gravidade do câncer de Yasmin não permite tal espera. Além da compra direta, a procuradoria pediu à Justiça que os sócios da empresa sejam presos caso não devolvam o valor.

Via: SOT/Luiz Felipe Max - Foto: Reprodução/RPC


Envie sugestões de Pautas, Fotos, Videos, ou Participe do grupo no WhatsApp ou do nosso Canal no Telegram receba as principais notícias do oeste do Paraná em primeira mão! 

CANAL NO WHATSAPP  -  CANAL DO TELEGRAM - GOOGLE NEWS 



Leia Também:
Publicar um comentário:
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.